O Batalhão


1º Batalhão de Infantaria de Guardas

      Em 10 de novembro de 1822, em solenidade propositadamente escolhida para o dia da apresentação de Nossa Senhora, realiza-se na Capela Imperial a cerimônia de entrega da primeira Bandeira Nacional ao Batalhão. O Bispo Capelão Dom JOSÉ CAETANO DA SILVA COUTINHO, numa nuvem de incenso, dá início a cerimônia. O Imperador, ajoelhado diante do altar, recebe a primeira Bandeira Imperial das mãos do Bispo, que lança sobre ela a sua bênção. Em seguida, D. PEDRO I passa-a ao Ministro da Guerra, o qual pôr sua vez a entrega ao jovem Tenente LUIZ ALVES DE LIMA E SILVA, futuro DUQUE DE CAXIAS, que assim torna-se o Primeiro Porta-Bandeira da Unidade.

       Assim com a denominação de honra de "Batalhão do Imperador", pelo Decreto de 18 de Janeiro de 1823, é criada, na Cidade do Rio de Janeiro, essa Tropa de Elite, organizada com estrutura semelhante à de um Batalhão de Caçadores. Forma-se então a Guarda Pessoal do Imperador.
A criação da Unidade obedece a um processo curioso, pois o próprio Imperador D. PEDRO I, em outubro de 1822, manda reunir no Campo de Santana todas as tropas da guarnição e escolhe, homem a homem, oitocentos militares, que logo passam a integrar o Batalhão do Imperador.
Seu primeiro Comandante é o Barão de Magé, Coronel JOSÉ JOAQUIM DE LIMA E SILVA, irmão do Marechal de Campo FRANCISCO DE LIMA E SILVA, pai do futuro DUQUE DE CAXIAS.

      Agora com o seu comandante recém-nomeado e conduzindo a Bandeira Nacional do Império, parte o Batalhão para incorporar-se às forças do general LABATUT, que na Bahia lutam pela Independência do Império. A 02 de julho de 1823, o Exército Pacificador, tendo à frente o Batalhão do Imperador, sitia a capital da Bahia e ocupa as fortalezas e demais estabelecimentos públicos que haviam sido abandonados pelas tropas do General MADEIRA DE MELO. Ali permanece em operações até 16 de novembro de 1823, quando retorna ao Rio de Janeiro.

     Chegando notícias à Corte que o Exército sofre reveses no sul do Brasil, Sua Majestade Imperial faz embarcar sua Tropa de Elite para MONTEVIDÉU, a fim de reforçar a guarnição daquela praça e colônia. O Batalhão, agora comandado pelo Tenente-Coronel MANOEL DA FONSECA LIMA E SILVA, participa da Guerra da Cisplatina e destaca- se dentre as unidades em combate.
Após o encerramento da campanha, o Batalhão do Imperador retorna à Corte, mais uma vez coberto de glórias.

      No início de 1831, cresce a insatisfação popular contra o regime político de Sua Majestade Imperial, que se mantém no poder apenas com a proteção de suas tropas. A 07 de abril, a manifestação popular no Campo de Santana é grande e insustentável, sendo que as tropas começam a se confraternizar com o povo, exigindo mudanças no Ministério. O Batalhão, numa manifestação de pura lealdade ao seu criador, retira-se do Campo de Santana e se separa do resto das Tropas Brasileiras contaminadas pelo espírito anárquico e posta-se em São Cristóvão, à disposição do Imperador.
Para evitar o sacrifício de sua guarda pessoal, D. PEDRO I manda que o Batalhão do Imperador se reúna a seus companheiros no Campo de Santana e, logo em seguida, abdica ao trono em favor de seu filho PEDRO, que contava com apenas 5 anos de idade, e regressa à Europa.
     Com a abdicação de D. PEDRO I, começa a reorganização das tropas de primeira linha do Império, através do Decreto de 04 de maio de 1831, e por não constar dele, o Batalhão do Imperador é extinto.

     Em 1933, com o mesmo espírito que norteou D. PEDRO I, é criado o BATALHÃO DE GUARDAS (BG), pelo Exmo Sr. Presidente da República, com os mesmos propósitos do passado, oficializando-o assim como legítimo herdeiro das tradições do Batalhão do Imperador. Da mesma forma que seu antecessor, o BG constituiu-se como uma Unidade de Elite, integrada por pessoal selecionado e de inteira confiança do Presidente da República. Nos seus anos de existência, o BG teve atuação destacada na defesa das instituições e dos ideais democráticos. Como principal galardão, ostenta a participação decisiva na destruição do foco comunista da PRAIA VERMELHA, em 27 de novembro de 1935.

     Com a mudança da capital para Brasília, em 1960, o Batalhão de Guardas encaminha para aquela cidade um núcleo para a formação do Batalhão da Guarda Presidencial (BGP) e continua, já com a denominação de 1º Batalhão de Guardas, a manter suas missões junto ao então I Exército.
Hoje, o 1º Batalhão de Guardas, ainda sediado na região do antigo Paço do Imperador e diretamente subordinado ao Comando Militar do Leste, é a unidade encarregada de prestar honras às autoridades civis e militares, além de guardar e zelar pela manutenção do patrimônio em área da administração federal, destacando-se o Palácio Duque de Caxias, sede do Comando Militar do Leste e o Monumento Nacional aos Mortos da Segunda Guerra Mundial.

     Concomitantemente, constitui-se na Tropa de Pronto Emprego de seu comando imediato, atuando na área de defesa interna, estando dentre suas missões realizar Operações de Garantia da Lei e da Ordem e a Defesa de Pontos Sensíveis. Dos exemplos legados por seus antepassados, nos principais momentos que marcaram nossa história, ecoa a responsabilidade de seus atuais integrantes para com aqueles que deram suas vidas em defesa da Pátria, fiel ao seu lema: A Guarda Morre, mas não se Rende!

Emblema Antigo e do 1º Batalhão de Infantaria de Guardas:

Nenhum comentário:

Postar um comentário